Fechando o coração

Postado por em abr 24, 2014 em Blog | 2 Comentários

Fechando o coração

Capítulo 7 (v. 1-28)

Uma visão, uma perturbação. Talvez mais que isso: uma revelação. Cruzado com o livro de Apocalipse, o livro de Daniel muito diz a respeito do fim dos tempos. Ao ler esse capítulo, nota-se que a visão e a interpretação da mesma são quase que extremos opostos. De dez chifres (v. 7), Deus revela dez reis (v. 24). Ou seja, é difícil entender, sem a revelação divina, o significado de uma visão.

Embora seja um capítulo complexo e cheio de profecias que poderiam ser profundamente estudadas, é possível extrair o que há de mais simples nessa passagem. O versículo-chave para mim, portanto, é o último do capítulo: “Aqui terminou o assunto. Quanto a mim, Daniel, os meus pensamentos muito me perturbaram, e mudou-se em mim o meu semblante; mas guardei o assunto no meu coração.” (v. 28)

Daniel era um jovem – não mais jovem, a essa altura – que se dedicava muito ao Senhor. Ele orava cerca de três vezes por dia e era fiel a Deus, de uma forma dificilmente percebida até mesmo nos discípulos de Jesus antes da vinda do Espírito Santo. Quem não lembra de Pedro e da sua forma rebelde de agir? E quem poderia esquecer do ceticismo de Tomé ao não crer na ressurreição de Cristo? Daniel, porém, era diferente desde o início. E não à toa Deus lhe dava as revelações e interpretações que acabaram por salvar sua vida inúmeras vezes. Mas havia um elemento a mais. Algo que está revelado no versículo 28: Daniel guardou o assunto no seu coração.

Quando Deus nos dá um sonho, uma visão, uma revelação, é importante sabermos guardá-los em nosso coração. Daniel não abriu o jogo imediatamente e não se vangloriou daquilo diante dos homens. Do contrário, trancou o que Deus havia lhe mostrado, em seu coração. E esse elemento é muito importante para a vida do Cristão, pois precisamos saber manter determinados sonhos e pensamentos apenas conosco. Não era necessário que Daniel divulgasse detalhes ou mesmo lançasse diante dos homens tal visão de Deus. E, veja bem, ela foi divulgada e hoje está no maior best-seller de todos os tempos, a Bíblia. Mas isso, no tempo de Deus, e não de Daniel.

Os assuntos de Deus são pessoais. Nosso coração deve guardá-los até segunda ordem. Se Deus permitir que nós divulguemos ao mundo, assim o façamos. Do contrário, precisamos ter cuidado. E isso é especialmente verdade na nossa atual sociedade, onde a vida de todos é um livro aberto. É muito fácil e simples divulgar, compartilhar, postar, etc. Que saibamos entender que Deus é santo, e Sua santidade deve ser mantida nos lugares santos. Mantenha seu coração santificado e saiba falar apenas o que é devido. Lembre-se: na hora certa, Deus vai permitir e, quem sabe, você pode até mesmo estar num próximo best-seller.


Confira os outros textos da série sobre Daniel:

Cap. 1 – Daniel: muito mais que a cova de Leões (1)
Cap. 2 – Daniel: muito mais que a cova de Leões (2)
Cap. 3 – Quem não tem ídolos?
Cap. 4 – Desfaze os teus pecados
Cap. 5 – Santo e Profano
Cap. 6 – Um anjo na cova dos leões
Cap. 8 – Qual a sua oferta?
Cap. 9 – Aprendendo a Orar
Cap. 10 – Compreender e Humilhar
Cap. 11 e 12 – Daniel sai da cova dos leões