Desfaze os teus pecados

Postado por em mar 13, 2014 em Blog | 6 Comentários

serie daniel 4-02

Capítulo 4 (v. 1-37)

Temor ao Senhor é tema perpétuo na Palavra de Deus. Mas, o que é temer ao Senhor? Ter medo dEle, respeitá-lo, honrá-lo? Muitas são as definições que eu ouvi, mas uma delas foi bem interessante. Certa vez um professor me disse, parafraseando (pois não lembro exatamente o diálogo): “O temor é algo que nos faz respeitar, o que nos limita. Por exemplo, temos medo de algumas coisas, e então as respeitamos por considerá-las superiores e mais fortes”. Então, complementou: “Por isso, o livro de Provérbios fala tanto em ‘temor ao Senhor’, pois algo que tememos é algo que respeitamos”. Para mim, essa é uma boa definição, pois o “temor” não está apenas associado a amor, respeito ou honra; mas, de fato, a medo.

E Nabucodonosor não temia ao Senhor. O capítulo 4 mostra que Nabucodonosor, mesmo depois de duas vezes (poderíamos considerar três, caso levemos em conta os fatos do primeiro capítulo) presenciar os milagres divinos. O capítulo não relata exatamente a forma como Nabucodonosor estaria desonrando a Deus, pois inclusive nos primeiros versículos ele parece honrá-Lo com suas palavras. Porém Deus lhe dá um sonho, o qual é revelado por Daniel. Nesse sonho, Deus mostra uma árvore grande, a qual seria o próprio rei, que deveria ser cortada, mas mantidas as suas raízes. Desse modo, Daniel interpretou o sonho e mostrou que o “decreto do Altíssimo, […] virá sobre o rei […]: serás tirado de entre os homens, e a tua morada será com os animais do campo, e te farão comer erva como os bois, […] e passar-se-ão sete tempos por cima de ti, até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer (v. 24-25, grifo meu).

Daniel tentou ser amoroso e aconselhou o rei, dizendo: “aceita o meu conselho e desfaze os teus pecados pela justiça e as tuas iniquidades, usando de misericórdia para com os pobres, e talvez se prolongue a tua tranquilidade” (v. 27). Nesse versículo, entendemos que, apesar de o rei parecer honrar a Deus com suas palavras (v. 1-3), ele não usava de misericórdia para com os pobres e mantinha determinados pecados em sua vida. Por essa razão, Deus decidiu humilhá-lo e permitir certo “deserto” durante um tempo. Ao findar esse tempo, Nabucodonosor retornou o seu reinado, transformado e humilhado. O rei faz uma forte declaração: “Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo e exalto, e glorifico ao Rei dos céus; porque todas as suas obras são verdades; e os seus caminhos, juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba.” (v. 37, NVI, grifo meu).

Nas nossas vidas, são inúmeras as vezes em que passamos por “provações”, “desertos”, sem ao menos entender o porquê. É importante analisarmos nossos corações e entender se não estamos em um momento de humilhação em que o Senhor nos colocou. Talvez tenhamos orgulho e soberba dominando nossas vidas, e não estejamos nos rendendo e temendo a Deus. Nesses momentos, em que precisamos desfazer os nossos pecados, e humilharmo-nos diante de Deus, temer sua grandiosidade, nem sempre somos humildes para tal. Portanto, em diversas formas, Deus nos mostra que Ele é o Senhor e único digno de honra e glória.

Nabucodonosor aprendeu da pior forma. Que saibamos temer ao Senhor, para que aprendamos de formas mais suaves. Mas não esqueça: Deus cuida dos nossos corações, e faz o que for preciso para que nos humilhemos e reconheçamos Sua grandeza. Que aprendamos a honrar apenas ao Criador, e não ao nosso próprio ego.


Confira os outros textos da série sobre Daniel:

Cap. 1 – Daniel: muito mais que a cova de Leões (1)
Cap. 2 – Daniel: muito mais que a cova de Leões (2)
Cap. 3 – Quem não tem ídolos?
Cap. 5 – Santo e Profano
Cap. 6 – Um anjo na cova dos leões
Cap. 7 – Fechando o coração
Cap. 8 – Qual a sua oferta?
Cap. 9 – Aprendendo a Orar
Cap. 10 – Compreender e Humilhar
Cap. 11 e 12 – Daniel sai da cova dos leões

  • Pingback: Pelo Amor de Deus » Santo e profano()

  • Juliana Monteiro

    Nesse capítulo tive a impressão que os primeiros versos, onde Nabucodonosor exalta a Deus, são o resultado do processo que é descrito em seguida. Não?
    Que Cristo continue derramando do conhecimento de Sua poderosa Palavra sobre nós!
    P.S. Seus textos me agradam muito porque além de tudo, são curtos, porém muito ricos!

    • leocechet

      Pela narrativa poderíamos interpretar dessa forma. Mas ele trata com Daniel em primeira pessoa novamente, ou seja, parece que não está contando uma história. Não sei te responder com certeza. Mas de qualquer forma, foi uma boa observação. Obrigadooo mesmo pelos comentários!! Eles me inspiram.

      • Juliana Monteiro

        😉 ansiosa pelos outros capítulos…Tentei segurar a leitura mas já estou no 11. E sempre fico pensando no que vc vai escrever..rs!
        Deus te abençoe Leo!!

        • leocechet

          Oi Juliana. Como foi a leitura dos textos de Daniel?

  • Fatima

    parabéns Leonardo, por este blog foi no livro de Daniel que aprendi a confiar na soberania de Deus em nossas vidas, e Daniel me ensinava isso, apesar de ser um livro cheio de simbologia e eu tao sem conhecimento , mas quanto mais eu lia o espirito santo me guiava como se eu estivesse vivendo naquela mesma situação e só hoje mais amadurecida na fe posso contemplar como Deus e fiel e como e glorioso nos deixar ser conduzida por ele, no silencio e na paz com todos. Y