Vaidade

Postado por em dez 24, 2014 em Blog | Um Comentário

Vaidade

Olá pessoas

Só na boa?

Bah gente, estava pensando no que eu poderia postar hoje, não queria falar do Natal, porque Natal é todo dia e não somente nessa época do ano.

Foi ae que me veio à mente a letra de uma música que conheci essa semana. Vai estar postado o link da música no fim do post!

“Eu sou um pouco menos do que eu quero

E muito mais do que não”

Não sei pra vocês, mas essa frase me dá um tapa na cara, que me faz acordar que realmente não sou nada sem Cristo, podia reescrever esta frase assim:

Sou muito menos santo do que eu acho que sou, e infinitamente mais sujo do que eu me vejo.

Tentamos nos esconder atrás de máscaras construídas pela nossa percepção de nós mesmo, esquecendo que Cristo é o cara, achamos que o fato de termos entregado nossa vida à Cristo, nos faz pessoas que nunca mais vão pecar.

Temos que entender que nossa carne nunca vai se converter (nunca mesmo), não importa o quão perto estamos de Deus, nossa carne sempre vai ficar gritando na nossa orelha, pra continuarmos desagradando à Deus.

Outro trecho muito forte dessa música que é mais um cutucão, que fortalece a ideia de antes:

“Sou egoísta e tento te dizer que não

O meu cinismo só revela a omissão”

Às vezes temos a ideia que a igreja é lugar de super heróis que não erram, sendo que não é bem assim, igreja é um hospital, para pessoas carentes de graça! Você não vai no hospital e diz que o seu braço recém quebrado, não dói.

O Natal ta aí gente (não queria falar, hahahaha), reflita sobre o nascimento de Cristo e que sem Ele, nada somos, nada além de meros pecadores sujos, mas que ao Seu lado somos limpos de tudo isso. Que possamos rever nossa vida perante Deus, sem máscaras, mas que cada um de nós, assuma seus erros e os coloque aos pés da Cruz.

A música está aqui 😀

Abraço de Urso

Sobre Ariel Zimermann

Uma criança crescida, que acha motivo pra rir, até quando é pra chorar. Conheci a Cristo com meus 15 anos, sou Gaúcho, Estudante de Engenharia Elétrica, que encontra na música uma forma de mostrar a grandeza de um Deus infinito. Aquele que senta na rua e fica olhando as estrelas por horas, conversando com Deus, tomando café no meio da rua. Sou direto, até demais, pois sinto que as pessoas devem ouvir o que elas precisam ouvir, e não o que elas querem ouvir.

  • Jairo Arruda

    Muito bom Ariel!
    Refletindo bastante!