Somente você pode ser você mesmo

Postado por em jun 13, 2016 em Blog | 2 Comentários

Somente você pode ser você mesmo

Chega aí meus queridos! Hoje vou falar de uma parada séria, algo único. Quem de vocês já quis ter a personalidade ou as habilidades de outra pessoa?

Admite aí que você já quis cantar igual aquele cara. Queria ser delicada como aquela menina, mas parece um cavalo. Você já quis ter habilidades em esportes, já quis aprender a surfar, tentou pegar um tubo, mas o tubo acabou te pegando. Você já quis andar de skate, fazer a manobra Tony Hawk 900, mas quase ficou com os dentes no joelho. Você já quis ter uma ótima coordenação motora ou já quis gostar de ler como aquela sua amiga CDF. Você já quis gostar de estudar e ir bem nos estudos, como aquele menino irritante da sala de aula, que chega a estressar de tão inteligente que ele é. Você já quis cozinhar aquilo que seu amigo cozinhou, mas percebeu que o fogão não curte muito você, porque ele sempre queima sua comida. Você já quis ser um expert em filmes e saber os nomes dos atores e atrizes, como aquelas pessoas da rodinha em que você se encontrava semana passada. Você já quis ser um líder como aquele teu brother. Você já quis escrever bons textos ou ter habilidades com artesanato. Algumas pessoas são boas em matemática, mecânica, composição musical. Outras têm habilidades naturais com palavras, tipo assim, já nascem falando. Algumas são boas em debate, em filosofias, vendas ou administração. Outras são ótimas em projetar, desenhar, organizar, são boas em jardinagem, pescaria e agricultura. Sim, você já quis ser alguém que não era! Talvez para agradar outras pessoas ou para se sentir enturmado e aceito, mas, meus queridos mortais, temos muitas habilidades, somos muitas pessoas, cada uma com sua personalidade. Pode ter certeza que você foi formado para exercer um ministério específico.

Estou lendo um livro chamado Uma Vida com Propósitos, de Rick Warren, e aqui citarei alguns trechos do que tenho lido. Grande parte do texto de hoje é resumo de 4 capítulos do livro.

Certo dia li sobre este mesmo assunto, habilidades, mas o assunto não era qual habilidade você gostaria de ter, e sim que cada um tem um papel especial a desempenhar conforme foi moldado por Deus e, principalmente, você está aqui para servir a Deus e essa é a função mais alta da vida. Você tem um chamado.

Existem certos assuntos que despertam nossa paixão, enquanto outros são indiferentes, e isso nos revela a natureza de nosso coração. Seu coração revela o “verdadeiro você”, o que você verdadeiramente é, não o que os outros pensam que você é ou o que as circunstâncias os forçam a ser. Nunca ignore seus interesses. Eu fiz isso por muito tempo e esqueci quem eu era. Busquei gostar de coisas que nunca gostei, comecei a deixar de fazer o que curtia porque outras pessoas achavam “palha” ou brega o que eu fazia. Deixei de ver alguns filmes e de escutar algumas músicas porque outras pessoas achavam ridículo ver ou ouvir aquilo. Deixei de muitas coisas, minha personalidade foi jogada no lixo. Por fim, deixei de ser eu. Até mesmo no ministério, na forma de servir a Deus. Tentei criar outras habilidades para agradá-Lo e isso só me fez sofrer. Não era eu e tudo se tornou muito estranho.

Quando você está fazendo o que gosta de fazer, ninguém precisa motivá-lo. Sua singularidade é um fato científico da vida. Quando Deus o fez, Ele quebrou o molde. Nunca houve, nem haverá alguém exatamente igual a você. Quer descobrir no que é bom? Se voluntarie para ajudar em algum ministério. Pergunte para algumas pessoas de confiança se elas perceberam em você alguma habilidade em destaque. Peça sinceridade e não elogios. Talvez assim, com as experiências, você descubra qual sua melhor forma de servir a Deus.

Vocês conhecem a história de Esaú e Jacó, os irmãos gêmeos da Bíblia? Eles eram super diferentes, mesmo sendo gêmeos. Esaú era peludão, Jacó não. Esaú curtia caçar, curtia o ar livre e Jacó era pacato, de boa na lagoa. Cada um com suas habilidades específicas. Mas Jacó queria os direitos de Esaú, porém, isso não pertencia a ele. (leia Gênesis 25). Não sinta inveja como Jacó. Concentre-se na sua raia e não faça comparações. Seja você, viva sua vida, sua personalidade, seu caráter e com os limites que Deus planejou para você.

Também temos um forte exemplo na história do tabernáculo para a adoração. Deus buscou construtores e fabricantes de utensílios, capacitou artistas e artesãos que possuíam “[…] destreza, habilidade e plena capacidade artística para desenhar e executar trabalhos em ouro, prata e bronze, para talhar e esculpir pedras, para entalhar madeira e executar todo tipo de obra artesanal” (Êxodo 31.3-5 – NVI). Aqui é nítido que o Senhor não quer que você se preocupe ou ambicione o que não possui. Ele usará sua forma, seu jeito de ser e agir.

“Há diferentes habilidades para realizar o trabalho, mas é o mesmo Deus quem dá a cada um a habilidade para fazê-lo.” – 1 Coríntios 12.6 (NVI)

Até mesmo as habilidades usadas para pecar foram dadas por Deus; estão apenas sendo mal utilizadas ou corrompidas.

Geral dá a desculpa de que não tem nada a oferecer, nenhuma aptidão, mas estudos revelam que uma pessoa comum tem de 500 a 700 habilidades e qualquer uma delas pode ser usada para a glória de Deus. Paulo orienta: “Assim, quer vocês comam, quer bebam, quer façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” (1 Coríntios 10.31 – NVI). Deus quer que você faça aquilo que é capaz de fazer, pois você é o único que pode empregar as suas aptidões. Deus não desperdiça capacidade; Ele combina o nosso chamado com as nossas habilidades.

A Bíblia apresenta provas suficientes de que Deus usa todos os tipos de personalidade. Pedro era sanguíneo. Paulo era colérico e Jeremias melancólico. Não existe temperamento certo ou errado para o ministério. Todos os tipos de personalidade são necessários para equilibrar a igreja e dar-lhe sabor. Não é bom quando somos forçados a atuar fora das características de nosso temperamento. Se cria certa tensão e desconforto e geralmente os melhores resultados não são atingidos. Não estou dizendo aqui que você não possa aprender uma habilidade que não tenha. Você pode estar servindo, ensinando ou se dedicando a algum ministério em virtude de sua maturidade, mas não por causa de um dom espiritual. O que quero dizer é que devemos filtrar o que aprendemos por meio de nossas habilidades e personalidade. Assim você se sentirá realizado, satisfeito e produtivo. É agradável fazermos aquilo para o qual Deus nos preparou, não é mesmo?

Ei! Está desanimado? Pode ser que esteja passando pelo mesmo que passei, mas se você ficar esperando as condições perfeitas, nunca realizará nada. Você não conhecerá suas aptidões enquanto não tentar. Use sua forma, seu jeito. Esse é o segredo tanto para a frutificação quanto da realização no ministério. Você será realmente eficiente quando utilizar seus dons espirituais e habilidades na área de interesse do seu coração, de modo que obtenha a melhor expressão de sua personalidade e de suas experiências. Quanto mais adequada à combinação, mais bem-sucedido no que vier a fazer será. E se você já descobriu, não se acomode com os dons desenvolvidos pela metade. Esforce-se e aprenda o máximo possível.

De que forma você pode servir as pessoas e gostar disso? Lembre-se: O Senhor não quer que você se preocupe ou ambicione talentos que não possui. Em vez disso, quero que você se concentre em utilizar os talentos que Ele já lhe concedeu. Aprenda a apreciá-los para depois desenvolvê-los ao seu potencial máximo. Não se esqueça, estamos nos preparando para as responsabilidades e recompensas eternas e os verdadeiros servos não agem pela aprovação nem pelos aplausos. Paulo afirma:

“Se eu ainda estivesse procurando agradar a homens, não seria servo de Cristo” – Gálatas 1.10c (NVI)

Papai do Céu merece o seu melhor.

Abraço de canguru!

Sobre Julia Betina Oelke

Interessada, complicada, extrovertida, ansiosa, indecisa, sonhadora. Alguém que questiona, busca mudanças quando necessárias, gosta do difícil, de superar expectativas e de coisas resolvidas. Sou daquelas que curte um banho de chuva, brincar com os cachorros, valorizo uma boa conversa e uma gargalhada acompanhada de uma xícara de café. Gosto de refletir sobre a vida e as pequenas coisas que Deus tem nos presenteado todos os dias. Deus tem me capacitado a cada dia que passa. Às vezes é barra, mas ao mesmo tempo é gratificante. Tenho enorme prazer em servir a Cristo e falar dEle para outras pessoas. O amor de Deus me alcançou há uns 12 anos atrás e hoje não me vejo sem Ele. Meu alvo é Cristo e estou aqui na terra para exaltá-lo e fazer dEle conhecido. Deus é o comandante e ou sou o soldado frágil que necessita da graça e misericórdia dEle. "Se eu não soubesse que Jesus não podia pecar nem se quisesse, eu diria que Ele roubou meu coração véi!" – Luca Martini

  • Ótimo artigo Julia. E em paralelo com o livro do Rick, tem o livro Vivendo com propósitos, do Ed René Kivitz, que faz uma abordagem abrasileirada dessa conversa. A verdade é que temos uma tendência a nos avaliar para menos e o terrível sentimento de inveja, inerente a todos, faz com que caminhemos a passos lentos em nossas missões individuais. Quantas vezes observo as habilidades de um amigo e a sensação de incompetência me toma! Mas logo vem a certeza da singularidade, conforme disse, daquilo que somente eu posso fazer e ninguém mais. Nesse mundo de competitividade extremada e potencializada pelos “sucessos” da timeline, temos que ter cuidado para nos pegarmos entrando nessa espiral de autodepreciação. Abraço pra todos do PADD! > Denys Cruz – Manaus/AM

  • Julia Betina Oelke

    Muito obrigada! Não li esse do Ed René Kivitz. Deve ser bom. Exatamente! Nos comparamos aos outros e isso faz com que nós nos esqueçamos de nossas habilidades individuais. Ainda bem que Deus mexe no nosso coração. Nos lembra de nossa singularidade. Temos que tomar cuidado sim. Abraço de toda a equipe! > Julia – Timbó/SC