Proibido para menores de 18 anos? (Parte 2)

Postado por em abr 9, 2015 em Blog | 2 Comentários

Proibido para menores de 18 anos? (Parte 2)

Na semana passada, iniciamos um estudo a respeito da pornografia e dos seus males. Definimos que, sim, pornografia é pecado e completamente nociva para o ser humano e seus relacionamentos. O mais intrigante da pornografia é seu aspecto viciante. Pode agir como uma droga no cérebro do ser humano e trazer inúmeros arrependimentos e fracassos à sua vida.

Para o Cristão, a realidade não é diferente. O mais impressionante na luta contra a pornografia e a luxúria de modo geral é a luta constante e incessante que há dentro de cada um. Poucos são os homens que nunca lutaram contra esse pecado, e muitos precisam combatê-lo pelo resto da vida. Entretanto, para entender a solução e alcançar a desejada libertação, é preciso antes ter uma disposição séria.

Alguns erros sérios são cometidos por aqueles que tentam se livrar do pecado. O primeiro deles é o de minimizar o poder de Deus, aplicando um legalismo egocêntrico. Isto é, se eu fizer isso, aquilo e aquele outro, serei livre. Nossa libertação do pecado depende completamente do poder de Deus. Sem ele, seremos eternos fracassados. Uma das passagens mais sérias a respeito disso é na carta de Paulo aos Romanos:

“Que diremos então? Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele? Ou vocês não sabem que todos nós, que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados em sua morte? Portanto, fomos sepultados com ele na morte por meio do batismo, a fim de que, assim como Cristo foi ressuscitado dos mortos mediante a glória do Pai, também nós vivamos uma vida nova. Se dessa forma fomos unidos a ele na semelhança da sua morte, certamente o seremos também na semelhança da sua ressurreição. Pois sabemos que o nosso velho homem foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado; pois quem morreu, foi justificado do pecado.” – Romanos 6:1-7 (NVI)

A maneira como Paulo descreve a libertação do pecado é impressionante. Atente para o versículo 6, onde ele diz que “o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado”. Outra tradução diz, semelhantemente: “[…] e não sirvamos mais ao pecado como escravos”. Ou seja, através de Cristo, da Sua morte e ressurreição, nosso pecado também morreu. Esse texto pode ser complementado por outro, na carta aos Colossenses:

“Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. É por causa dessas coisas que vem a ira de Deus sobre os que vivem na desobediência, as quais vocês praticaram no passado, quando costumavam viver nelas. Mas agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar.” – Colossenses 3:5-8 (NVI, grifo meu)

Você deve estar se perguntando a essa altura: “E por que raios eu não consigo me libertar? Acabo caindo novamente!”. Meu amigo, não tenho resposta para tudo e, saiba bem, não sou perfeito ou irrepreensível. Aqui cabe um parênteses: enfrento minhas tentações e lutas, e Deus está falando comigo e contigo.

A resposta a essa pergunta não é simples. Cada caso é um caso, mas há algumas boas práticas na libertação do pecado. O fato de você cair continuamente não significa que Jesus não morreu pelo seu pecado. Significa, sim, que quando a tentação vem, você cede a ela e cai! E, quanto mais você alimenta sua carne, mais carnal você se torna. Voltando ao texto de Colossenses, Paulo afirma que devemos fazer morrer nossas práticas do passado e abandonar todas as práticas antigas. Apenas através da morte de Cristo, conforme Romanos, somos capazes de cumprir com essa responsabilidade.

Além disso, existem práticas que nos levam ou a Deus, ou ao pecado. É muito claro que, caso tenhamos posters de nudez na parede do nosso quarto, é praticamente impossível não voltar nosso pensamento a eles, quando estivermos ociosos. Filmes e programas de televisão também podem alimentar nossa mente com imagens e pensamentos carnais. Sejamos francos, o mundo inteiro está nos dizendo: pense sobre sexo o tempo todo! É difícil viver sem ser bombardeado com isso.

De qualquer forma, Cristo nos deixou claro que devemos arrancar até nossos membros se for necessário (Mt 18.9). E mais, sabemos que não vem sobre nós tentação que não possamos suportar, sabendo que Deus sempre nos dá o escape (1Co 10.13).

Por fim, uma das práticas mais importantes para a libertação é a confissão. Infelizmente, a pornografia ainda é um tabu no meio Cristão. É um pecado que requer coragem e vontade para ser exposto. Por ser tão enganosamente secreto, a cura e libertação se tornam ainda mais difíceis. É necessário expôr o pecado à luz, falar dele, não temer e confessar, a fim de que a cura ocorra. Tiago bem relata isso:

“Portanto, confessem os seus pecados uns aos outros e orem uns pelos outros para serem curados. A oração de um justo é poderosa e eficaz.” – Tiago 5:16 (NVI)

Um pecado encoberto é a premissa da escravidão. E esse é um ponto tão difícil para o viciado em pornografia: confessar. Se não confessarmos nossos pecados a Deus, não haverá perdão. Precisamos seguir o que João ensinou:

“Se afirmarmos que estamos sem pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça.” – 1 João 1:8-9 (NVI)

Não importa sua condição, posição espiritual ou cargo na Igreja, confesse! Se tiver medo de falar com alguém, comente anonimamente e confesse. Mande um e-mail para mim e confesse. Faça algo a respeito. Primeiramente, ore a Deus e abra seu coração, fale do seu pecado e não finja que nada está acontecendo. O pior pecador é aquele que finge que não peca. João deixou claro que estamos nos enganando! Precisamos admitir nossa condição e expôr nossa vulnerabilidade, para sermos definitivamente sarados.

Conclusão

Há inúmeros outros materiais que tratam do assunto. Augustus Nicodemus fala da pornografia aqui, com muita propriedade. Dr. William Struthers escreve muito bem em seu livro, expondo os males biológicos e físicos provocados pelo vício. A realidade é triste, mas milhares – quiçá, milhões – de Cristãos estão clicando e assistindo à pornografia todos os dias. Deus tem um plano de libertação, Ele te ama. Esse texto não é a solução dos seus problemas. Deus o é. Espero, contudo, que possamos ser um abraço apertado, um ombro firme, um ouvido disposto, e que sejamos uma ajuda para qualquer momento. Confesse, ore. Fale conosco, não se renda. Há esperança! Não esqueça:

“Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.” – João 3:16 (NVI)

Creia!