Proibido para menores de 18 anos? (Parte 1)

Postado por em abr 2, 2015 em Blog | 3 Comentários

Proibido para menores de 18 anos? (Parte 1)

Olá, pessoal! Estou iniciando uma série que vai exigir muita, mas muita oração e coragem para escrever. É um assunto extremamente delicado, pouco abordado e requer cautela. Vou estar falando sobre a pornografia, masturbação, entre outros, e a visão bíblica dos assuntos. Digo que requer coragem, pois o tema é difícil e, para mim, pessoalmente, um desafio. Em efeito, é um tema desafiador para aproximadamente 60% dos homens e 15% das mulheres, números estes que indicam o consumo da pornografia. São, de fato, estatísticas americanas. No entanto, se levarmos em conta a experiência empírica, sabemos que há, sim, uma luta Cristã contra esse pecado obscuro. Seremos cautelosos, mas falaremos a respeito de muitos assuntos. O objetivo principal é chamar a atenção de todos a uma verdade: a pornografia invadiu a Igreja de Cristo. O que estamos fazendo a respeito? E nós, somos vulneráveis? Caímos também? Como seremos libertos de algo tão sutil? O primeiro texto da série se chama “Proibido para menores de 18 anos?”, em referência à censura dada aos “filmes adultos”. Será que homens e mulheres com idade superior a 18 anos dispõem de um domínio próprio maior, uma psique estabelecida e uma blindagem aos malefícios do “conteúdo adulto”? Se você quer entender melhor e aprender a dizer não ao pecado, vamos juntos ter essa conversa, aberta, sem medos.

Devo advertir o seguinte: aqueles que nunca acessaram esse tipo de material, não o façam! Jesus falou sobre o adultério, mas não sugeriu o pecado. Paulo fala sobre as imoralidades, mas não incentiva as mesmas. Oro para que essa série não desperte qualquer tipo de curiosidade para o mal em você! Lembre-se, a obediência é sua amiga e depende apenas de você. Não esqueçam o que Deus diz em Romanos 19!

O que é a pornografia?

Falar sobre pornografia não é um assunto fácil. Digo isso, porque é absurdamente ampla a discussão a seu respeito. Há várias formas de encará-la: como um pecado em si, como sendo a consequência de um pecado maior, o resultado de abuso sexual, carência familiar, entre outros. É um assunto bastante delicado que requer uma série de cuidados na abordagem. Apesar desse receio, vou encarar os obstáculos, negar meus próprios medos e complexos, e abrir essa discussão tão importante.

Já fiz um texto falando da luxúria (acesse aqui). Sugiro sua leitura prévia. A luxúria é um pecado sorrateiro. Sem entrar nos detalhes, que já foram mencionados no texto anterior, a sensualidade é parte essencial da nossa sociedade. Sem os corpos esbeltos e expostos nos outdoors, propagandas, filmes, programas de televisão, o mundo seria completamente diferente. Especialmente aqui no lado ocidental. Uma série de mudanças radicais ocorreriam na sociedade e cultura, desde o padrão de beleza até o relacionamento íntimo entre homem e mulher.

Mas a pornografia é um dos muitos braços da luxúria. A palavra vem do grego porne e graphein, significando literalmente escrever sobre prostitutas [1]. Apesar de ser comum nos dias de hoje, imagens de sexo explícito nem sempre foram algo acessível a apenas um clique de distância. E a pornografia acabou se tornando uma indústria realmente lucrativa. De acordo com o Doutor William Struthers, em Wired for Intimacy: How Pornography Hijacks the Male Brain (sem tradução para o português) [1], o tamanho estimado da indústria do sexo é de aproximadamente US$ 57 bilhões. Ou seja, há um forte investimento nesse pecado que, sem vergonha, tira a sexualidade humana do seu contexto natural e a torna um produto a ser comercializado.

Talvez o maior problema da pornografia seja a forma como ela transforma o nosso cérebro e modifica a natureza das nossas relações. Em um detalhado estudo, Struthers discute essa questão, demonstrando os efeitos nocivos que a pornografia tem no nosso corpo, especialmente no nosso cérebro. Essencialmente, a conclusão é de que a exposição constante pode levar o ser humano a um estado vicioso, semelhantemente ao que ocorre com drogas, como álcool, cocaína e heroína.

Isto é, a pornografia pode sim se tornar um vício. Não imediatamente, mas após o consumo excessivo das imagens e vídeos, o ser humano pode ser escravizado por um tipo de comportamento perigoso, levando à depressão e a outros problemas sérios, especialmente no que se refere aos relacionamentos. Eu sinto que o tema ainda é um sério tabu, pouco falado nas Igrejas e, principalmente, entre os jovens. Geralmente, é muito difícil para um jovem Cristão sincero, abrir-se para o seu pastor ou líder, ou até mesmo para um amigo de confiança, a respeito desse pecado. A vergonha é tão grande que, frequentemente, as pessoas são impedidas de serem vulneráveis a ponto de expôr uma prática tão secreta. E a pornografia não é exclusividade dos homens. No caso das mulheres, o medo é ainda maior, pois se espera, socialmente falando, que a mulher não enfrente esse tipo de problema, uma vez que seus impulsos sexuais são “mais restritos”. É uma inverdade, que acaba colocando um peso enorme sobre os ombros femininos, transformando um pecado em trevas cada vez mais densas.

Inúmeras pesquisas foram realizadas nos EUA e mostram o poder da pornografia no meio Cristão [2], [3], [4]. No Brasil, ainda se sabe pouco em números a respeito do assunto. Sabe-se que um grande número de membros, pastores e Cristãos de modo geral são envolvidos pelas garras da pornografia. Apesar do claro conhecimento e entendimento de que há pecado na prática, ela parece se tornar cada vez mais um sério problema dentro da Igreja de Cristo. Portanto, não estamos livres de cedermos a esse pecado tão obscuro. E precisamos entendê-lo e combatê-lo.

O pecado 

Não sei se há grandes dúvidas se a pornografia é ou não pecado, mas julgo importante analisarmos a Palavra de Deus a respeito. Conforme eu já expliquei nos parágrafos introdutórios do meu texto Usos e costumes: o Cristão pode beber?, há pecados que não estão explícitos na Bíblia. É o caso de vícios em drogas, a masturbação, entre tantos outros, incluindo a própria pornografia. Pra ser mais específico, há um livro inteiro dedicado ao sexo no Antigo Testamento. Ao ler o livro de Cantares (ou Cântico dos Cânticos de Salomão), entendemos a natureza pura e aprovada por Deus do sexo entre marido e mulher.

O sexo é parte do casamento, assim como a comunhão, os abraços, os filhos, as lutas e tudo o que envolve o matrimônio. Não é mais ou menos importante. Não deve ser entronizado e visto como um fim em si mesmo. É parte de um todo, um contexto. Também não pode, jamais, ser comparada a uma necessidade fisiológica básica, como ir ao banheiro, por exemplo. De igual modo, não pode ser comparado ao desejo por água e alimento, uma vez que não se morre pela abstinência sexual. Concluímos, logicamente, que o sexo é importante, na hora certa. Apenas para deixar bem claro, se tivermos intestino preso ou se deixarmos de nos alimentarmos, iremos morrer! A castidade pode ser uma benção e não deve ser encarada como um bicho de sete cabeças.

Uma vez que entendemos que o sexo é bom – e não essencial à vida humana – no casamento entre homem e mulher, precisamos compreender a sua distorção pecaminosa. Como é possível que algo bom seja pecado? Em inúmeras ocasiões, essa distorção ocorre. Comer é ótimo, mas comer em excesso é prejudicial. Ter dinheiro para realizar sonhos e ser generoso é maravilhoso, mas a ganância e a avareza são nocivos. O sexo é ótimo, mas a luxúria, sua distorção, é completamente perigosa.

Agora, precisamos entender o que a pornografia representa nesse meio todo. Essencialmente, a pornografia exibe corpos nus, seja em atividade sexual ou não. Seu objetivo geral é criar comportamento de excitação sexual em quem a consome. É “apimentar” a relação, expondo uma mentira descarada. A nudez pornográfica é manipulada, estática, resultado de anos de experiência por parte de produtores e fotógrafos, que captam as imagens que mais intrigam e mexem com a sexualidade do homem – aqui, me refiro ao ser-humano. A pornografia que exibe a atividade sexual é outra mentira, pois não há amor ou sequer qualquer espontaneidade nessa relação íntima. Tudo é formatado e ajeitado para que o espectador possa ser excitado ao máximo, ativando hormônios e enzimas que geram um alto prazer. É tudo, menos sexo.

Vamos lembrar um pouco sobre o que a Bíblia nos fala da impureza sexual, da fornicação e do adultério (todos juntos podem ser vistos na pornografia):

“Mas eu lhes digo: qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.” – Mateus 5:28 (NVI)

“Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria.” – Colossenses 3:5 (NVI)

“Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus. Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus.” – 1 Coríntios 6:9-11 (NVI)

“Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. ” – 1 Coríntios 6:18 (NVI)

Esses são apenas alguns dos muitos textos que tratam da imoralidade, fornicação e adultério. Em efeito, podemos concluir que a pornografia é, sim, pecado. Não há qualquer razão para pensarmos que devemos, de alguma forma, consumir esse tipo de conteúdo. Não estou dizendo que é fácil ou simples abandonar a prática, mas é necessário para uma vida de honra a Deus.

Para finalizar a nossa primeira conversa, quero convidar você a questionar o senso comum. Primeiro, ore a Deus e peça direção sobre o que você tem consumido. Quais são as práticas, os filmes, as novelas que você tem assistido e que tem lhe afastado do Pai. Reflita no que aprendemos até agora, lembrando que Jesus morreu por todos os pecados, inclusive este. Aprendemos, até aqui, o que é a pornografia e que ela é um pecado perigoso. Na próxima semana, vamos conversar sobre os seus efeitos na vida das pessoas (Cristãs ou não) e como podemos nos libertar desse mal.

[1] Struthers, W.. Wired for Intimacy: How Pornography Hijacks the Male Brain

[2] http://noticias.gospelprime.com.br/pesquisa-americana-revela-alto-indice-de-cristaos-viciados-em-pornografia-pela-internet/

[3] http://noticias.gospelmais.com.br/pesquisa-metade-homens-consome-material-pornografico-70680.html

[4]http://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/nos-eua-pesquisa-revela-que-quase-80-dos-homens-cristaos-consomem-pornografia.html#.VRrZzvnF-6w