#PADD096: Filmes e o Cristão

Postado por em fev 3, 2017 em Podcast | 22 Comentários

#PADD096: Filmes e o Cristão

Tá no ar! No mês do Oscar, EddieTheDrummer recebe os convidados Adriano Toledo (Pupilas em Brasas), Ribamar Nascimento (Salada Cult) e Victor Machferreh (Tão Victor) para falar sobre a relação entre o Cristão e os filmes.

Deixe seu feedback nos comentários. É muito importante para nós!

Dê o play!

Reproduzir

Para ouvir, clique no player acima ou clique em Download para baixar (caso não inicie o download, clique com o botão direito e clique em “Salvar link como”). Você também pode escutar em uma janela 😉


Neste episódio:

Conheça mais sobre o mundo do cinema.
Saiba se há necessidade de filmes feitos por Cristãos.
Descubra se os filmes de Hollywood podem ser edificantes.


LINQUINUPOUST!

Super Crentes
Pupilas Em Brasas #69 – Deadpool: Subvertendo A Violência


Área de Feedbacks

PADD Indica!

BTCast 183 – Cosmovisão Cristã


Assine o Feed do nosso podcast!

RSS Podcast Pelo Amor de Deus (http://www.peloamordedeus.org.br/feed/podcast/)
Assine no iTunes (http://www.peloamordedeus.org.br/itunes/)
Estamos também no YouTuner, NarradorCast, Podflix e GoCastr, além de outros agregadores.


Acompanhe nas rede sociais!

Facebook – https://facebook.com/OficialPADD
Twitter – Siga @_padd


Créditos da trilha sonora:


  • Lourival Gonçalves

    Hoje o Abner vai ficar como coadjuvante.kkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Vou ali assistir um filme, depois volto para comentar

  • Tenho um problema gigantesco com esses filmes “cristãos” (Deus não está morto, Eu acredito…) acho que tem um roteiro muito fraco. Poderiam tentar mostrar a cosmovisão cristã, sem a necessidade de falar JESUS JESUS JESUS.

    Agora vocês precisam fazer um filme BOM de verdade…

    Falaram tudo o que penso no episódio.
    Parabéns

  • Aline Toledo

    Boa tarde, sou do Pupilas em Brasas tbm.
    Achei interessante na discussão sobre os filmes gospel a ideia da dicotomia.
    E acho que não tem como mudar o formato do filme gospel por alguns motivos:
    Primeiro que teríamos que criar subdivisões como filme bíblico, filme teológico, filme de entretenimento, etc.
    Porque esses filmes que recorrem a um grande milagre e tratam dessa coisa mais auto ajuda existe porque há toda uma teologia baseada em Deus a serviço da gente.
    E como toda a teologia não está 100%errada ou certa.
    Os filmes bíblicos são um antigo modelo em desuso.
    E Hollywood não se preocupa com o mercado cristão ou religioso por causa das convicções ou necessidades das pessoas, mas porque crente dá dinheiro.
    Daí entra a dicotomia, o santo e profano.
    Fiquei muito feliz de ver que havia cineastas na gravação, porque é isso que um cristão faz: ele faz o que quer que seja por amor a Cristo e para levar o evangelho.
    Então, quando ele faz um filme, uma música, uma pintura, uma fotografia, ele não precisa ser panfletário ou prosélito, ele apenas é. É cristão, é pecador arrependido, é filho de Deus. Ele fala e faz tudo dentro dessa visão de mundo.
    Por isso que deve haver sim filmes e arte em geral vinda de cristãos, seja panfletária ou não, porque é a única forma do mundo enxergar quem somos e verem Cristo através de nós.
    As igrejas pregam formas arcaicas de evangelismo e pixam novas tecnologias, até que não é mais novo e agora é santo.
    Se houver artistas especializados em nosso meio, vamos quebrando preconceitos e reduzindo o tempo de aceitação.
    Deus não é panfletário, não tem mensagem Dele em tudo o que vemos, mas há a digital de amor e a criação maravilhosa dele em tudo.
    Que sejamos imitadores de Cristo. Assim imprimiremos a Ele nos corações atingidos por nós.

    Desculpa o textão e desculpa a Internet oscilante do cônjuge (Adriano).
    Esse problema não se repetirá 😉

    • Muito obrigado pelo teu feedback @alinetoledo:disqus!

      Ótima observação. É difícil “misturar”, até porque as pessoas gostam de rótulos e coisas bem definidas. Parece que, se algo não for possível rotular, causa desconforto. Então cria-se uma fórmula e todos seguem o padrão. Engraçado que isso é exatamente o que a “sociedade” propõe, influenciando as pessoas a buscarem coisas específicas para preencherem seus vazios, que sabemos que só Deus pode preencher. :/

      Abraço

  • Tauan

    Será que um filme de terror não pode causar reflexão em um cristão? O filme “A Bruxa”, que foi bastante elogiado por aí, trata de uma família cristã e toca em temas como a questão do batismo e salvação, sexualidade, etc. Acho que dá para repensar alguns temas cristãos, justamente para rebater críticas ao cristianismo que o filme passa de modo subliminar.

    • Creio que sim, mas depende do filme. Há filmes que do gênero que servem apenas com entretenimento. Outros que tratam de explorar o medo (em alguns casos, podem ajudar a vencer traumas, se consumidos de forma controlada), ainda outros que nos fazem pensar. Ainda não vi esse filme (A Bruxa), mas há filmes de terror que nem tratam da fé e nos fazem refletir sobre como temos vivido a nossa vida, como por exemplo se temos saído da nossa zona de conforto para fazer a diferença. Claro, estes são raros, mas existem, por isso não podemos generalizar.

      Muito obrigado pelo feedback Tauan!
      Abraço!

  • Tá Tirano

    Parabéns pelo programa. Achei demais o ponto de vista de vocês e muitos vão ao encontro das minhas opiniões também. Inclusive ouvi dando a minha opinião mentalmente e daí vocês falavam a mesma coisa que eu tinha pensado…rsss
    Adoro falar de cinema e realmente quando vocês falaram do processo de “gosperização” dos filmes e isso acredito que se dá pelo fato dos próprios cristãos ficarem passando os filmes por uma especie de canonização, o que é muito triste, porque se há alguma coisa que vai contra a teologia dela o filme é totalmente descartado e considerado herege…rsss
    Acredito também que os filmes de historias bíblicas são os menos ruins, porque a historia está lá e só ajustar o roteiro, tomando cuidado com o anacronismos e pronto, a chance de errar é menor. Agora os filmes com temática cristã, ainda são muito fracos, eles ainda “pecam” em mostrar os cristãos como um povo almofadinha, ou seja, um povo que não existe na vida real. São cristão ideais, mas não reais. Acho que falta um pouco de “sofrência” nos filmes, mostrando nossas lutas e nosso encontro com Cristo de forma real, algo interior e não só o milagre resolvendo tudo no final (Deus Ex-Machina). Mostrando realmente como Cristo muda nosso interior e até entendo, porque não é fácil mostrar isso de forma cinematográfica.
    Sobre a questão se os filmes “não-cristãos” podem nos edificar, bem a resposta é que já gravamos 2 programas analisando filmes (A trilogia Senhor dos Anéis e Inception – A Origem).
    Também escrevi um artigo muito bacana sobre a versão estendida de Batman vs Superman.
    Enfim…acesse no nosso site http://www.tatirano.com.br

    Adorei o programa!

    Carla Guedes
    Ta Tirano Podcast

    Obs. Obrigado por citar Amelie Poulain, amo o filme, inclusive ia para a Escola Dominical com um caderno com a foto dela e só esperava alguém perguntar para falar do filme…kkkkkkkkk

    • Muito obrigado pelo feedback Carla! Creio que tudo se resume em equilíbrio mesmo. 🙂
      Vai ter LINQUINUPOUS de tudo 😛

      Abraço!