Origem da Vida

Postado por em ago 13, 2015 em Blog | 2 Comentários

Origem da Vida

“No princípio Deus criou os céus e a terra.” – Gênesis 1:1 (NVI)

“Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?”. Essa pergunta foi respondida em uma das minhas aulas de biologia: “é claro que o ovo, afinal se as aves evoluíram dos dinossauros, então do ovo saiu a galinha, e não o contrário”. Afirmações como essa são correntes no meio acadêmico. Qualquer tipo de contestação à teoria da evolução ou a qualquer uma das teorias científicas bem-quistas, torna-se uma afronta à ciência; a crença em algo diferente é motivo de descrédito e discussões inquisitivas.

Uma das perguntas do autor no livro “Fundamentos Inabaláveis” (se você não está acompanhando a série, estamos nos baseando nesse livro, de Norman Geisler e Peter Bocchino) é: “a mente criou a matéria ou a matéria criou a mente? Deus criou o homem ou o homem criou Deus?”. Essa pergunta é muito parecida com a pergunta inicial do texto. Quem veio antes, Deus ou o homem?

As teorias da origem da vida tentam explicar como tudo começou. Para ser mais específico, as explicações remetem à origem das espécies. Não coincidentemente, esse é o título do livro de Charles Darwin, cientista britânico que investigou o que hoje chamamos de teoria da evolução. Esta, por sua vez, pode ser dividida entre macroevolução e a microevolução. Como bem explica Geisler:

“O modelo macroevolutivo afirma que a vida auto-originou-se de matéria não-viva (inorgânica). Uma vez ultrapassado o abismo da não-vida para a vida, a primeira célula viva começou a evoluir por mudanças aleatórias em seu sistema genético de informação (mutações), adquirindo desse modo novas características que não existiam no organismo original.”

O modelo microevolutivo, por outro lado, se refere basicamente às variações biológicas que se podem demonstrar empiricamente. Isto é, pequenas mudanças nos seres que podem ser vistas ou analisadas em um laboratório. Deixemos os conceitos e as discussões de lado, uma vez que não cabem à nossa discussão.

Essa forma de explicar a origem da vida é baseada nas observações iniciadas por Darwin. Apesar de ser amplamente aceita no meio acadêmico, a teoria da evolução e o modelo macroevolutivo não são as únicas explicações para a origem da vida. Há inúmeras contestações a respeito da sua legitimidade e, como é um modelo baseado em observações limitadas – uma espécie de amostragem temporal – e conclusões baseadas em arquivos arqueológicos, há de se criar outras formas para concorrer com essa explicação.

Uma delas e, talvez a mais condizente com o criacionismo bíblico, é a teoria do design  ou projeto – inteligente. Geisler explica:

“O modelo do projeto afirma que a não-vida jamais produz vida e que as primeiras formas de vida foram a consequência direta de uma superinteligência.”

Ambas teorias demandam um espaço enorme para sua explicação. Em resumo, elas divergem no cerne: Deus criou o homem ou o homem criou Deus? Em resumo, houve um criador ou tudo foi obra do acaso?

De acordo com a Palavra de Deus, há um criador, soberano e maior, acima de tudo, que foi capaz de criar e dar vida aos seres da Terra. Cremos nesse Deus, que é poderoso e tem sua soberania estabelecida.

Encerramos a série Primeiros Princípios por aqui. São alguns princípios básicos e simples, que têm por objetivo instigar o estudo e a busca pelo conhecimento, a sabedoria do Senhor. Cada tema aqui escrito pode ser estendido a ponto de se tornar tema de livros – como é o caso para cada um deles. Espero que esses princípios possam nos aproximar de Deus e nos mostrar Seu poder e amor. Amém.