O desejo é maior que o amor?

Postado por em ago 2, 2014 em Blog | Sem Comentários

O desejo é maior que o amor?

Um namoro Cristão já é falso por si próprio. Namoro e Cristão talvez não pudessem ocupar a mesma frase. Mas, talvez, eu esteja enganado. A terminologia é importante nesse caso?

Namorar não possui definição. Se definido, o namoro perde o sentido. Alguns namoram durante meses, outros durante anos. Uns decidem dar beijos, outros chegam ao máximo da intimidade corporal. Desse modo, tratar de namoro em um contexto Cristão é algo complicado e os cuidados devem ser devidamente tomados. Se considerarmos que o namoro contemporâneo permite as mais diversas carícias, não sabemos responder à pergunta título. Afinal, o amor pode acompanhar o desejo e não necessariamente ser maior que este. Vou explicar.

Um relacionamento entre homem e mulher possui duas premissas básicas: amor e desejo. É razoável ter desejo sem amar, mas amar sem ter desejo é incomum. É possível, especialmente para o homem, desejar uma mulher bonita sem amá-la. É praticamente impossível amar uma mulher sem desejar um relacionamento íntimo com ela. Se isso ocorre, é essencial analisar o sentimento e os propósitos do relacionamento em questão. Porém, apesar de ambos os sentimentos parecerem um só, são distintos e devem andar juntos apenas no momento certo.

Para namorados contemporâneos, não há a mínima distinção entre desejar e amar. Qual a vantagem de namorar sem poder fazer sexo? Como é possível resistir a ele (a) se eu o (a) amo?! Há um ponto crítico. O desejo é acompanhado de impulsos fisicos. Desejar alguém é querer estar perto, dar as mãos, fazer carinhos e carícias. É caracterizado por um estado de atração que pode levar ao ato sexual, à conexão dos corpos. Esse sentimento é catalizado ainda mais pelo amor. Namorados que se amam, se desejam.

Dessa forma, para casais Cristãos, que desejam namorar antes de casar, é essencial reduzir os desejos a níveis seguros e aperfeiçoar o amor através das formas corretas. Os desejos vêm e são saudáveis até o ponto em que cedemos a eles. Desejar o (a) namorado (a) faz parte do pacote. Agir sobre isso e provocar sensações sexuais e carnais já não faz parte de um namoro santo. Não estou dizendo que é fácil, mas necessário.

Namorar, embora algo contemporâneo e nada bíblico, pode ser agradável e santo. Isso não significa que as tentações não virão, que não haverá momentos de dor e pecado. Assim como é difícil manter-se santo individualmente, o casal necessita de cuidado especial para não se contaminar. É essencial e saudável desejar seu companheiro, mas ame-o além disso. O desejo deve ser menor que o amor, e suas garras não devem pegá-lo desprevinido. No momento certo, ambos serão alinhados e Deus estará presente para permitir o melhor do que Ele mesmo tem a oferecer.