Bíblia

Ela é infalível e inspirada por Deus, nossa única fonte de revelação divina escrita. A Bíblia é suficiente e ensina tudo o que é necessário para salvação do pecado, além de ser o padrão pelo qual todo comportamento cristão deve ser avaliado.

Cristo

Sua humanidade real jamais diminuiu sua divindade absoluta. Mesmo quando tornou-se homem, Ele nunca deixou de ser Deus (100% homem e 100% Deus). Ele é nosso único Salvador e Senhor. Sua expiação e exemplo é suficiente para nossa reconciliação e justificação com Deus.

Graça

O homem nasce espiritualmente morto e necessita da graça e da obra do Espírito Santo para convencê-lo de seus pecados (todo homem é pecador e está debaixo da ira de Deus). A graça provém de Deus, que é soberano, sem depender de qualquer obra humana, métodos ou estratégias para realizar a nossa transformação.

A fé não é produzida pela nossa natureza não-regenerada. A justificação é somente pela graça, por intermédio da fé que é um dom de Deus. Na justificação, a retidão de Cristo nos é imputada como o único meio possível de satisfazer a perfeita justiça de Deus. Nenhum mérito nosso pode nos justificar.

Salvação

Todo homem que é atingido pela graça irresístivel de Deus, se arrepende do pecado, crê no Senhor Jesus Cristo e aceita Ele como seu Senhor e Salvador, está salvo para sempre, seguro pelo poder de Deus e não pode perder esta condição. A salvação é individual e pessoal, ou seja, ninguém pode tomar a decisão pelo outro.

Relacionamentos

O homem foi criado para relacionar-se, não apenas com Deus, mas com outras pessoas. Um Cristão convertido deve cultivar o fruto do Espírito Santo, expresso em 9 atitudes de caráter citadas por Paulo: Amor, Alegria, Paz, Paciência, Amabilidade, Bondade, Fidelidade, Mansidão e Domínio Próprio. O amor, principalmente, deve ser cultivado com todos, assim como Cristo nos orienta.

Glorificar a Deus

A vida do Cristão deve ser dedicada a Deus, vivendo sob Sua autoridade e para Sua glória. Tudo que realizamos é para a glória de Deus, ou seja, não para nós ou para outros. O Cristão também deve edificar ao próximo, ministrando em suas vidas de diversas formas.