Fruto do ventre adormecido

Postado por em jun 9, 2015 em Blog | Sem Comentários

Fruto do ventre adormecido

Ela tinha um ventre adormecido.

Sem vida, estéril, incapaz de realizar o propósito pelo qual fora criado: gerar.

Ela tinha um ventre adormecido.

E dentro dele moravam sonhos escondidos, desejos não realizados, histórias não contadas e cantigas de ninar não cantadas.

Suas lágrimas regavam seu ventre e levavam em seu interior a mensagem de socorro que só uma mãe poderia trazer.

“Filha, quando poderei te conhecer?”

Ela tinha um ventre adormecido.

Até que um simples toque – um toque que os médicos não puderam dar, um toque que ela não conseguiu realizar, um toque divino que só dos céus poderia chegar – transformou entulhos em sementes, galhos em nascentes e dúvidas em esperança.

E seu ventre acordou!

Contou os dias, abraçou sua barriga… Contou as histórias, cantou as cantigas, realizou os sonhos.

Que fase incrível a de ser mãe!

“Filha, falta muito para te ver?”

E aquele ventre adormecido crescia, florescia. Encantava, renascia.

Até que prematuramente uma dor a calou.

“Ela vai nascer!”

“Não é tempo!”

“Mas ela vai nascer!”

Todos reunidos aguardavam ansiosos a chegada da criança prematura, fruto do ventre adormecido.

O relógio não parava.

Engolia.

Tic tac.

Tic

Tac

Tic tic tic

“nasceu.”

Sem choro.

Sem alegria.

O primeiro encontro – que não aconteceu – foi marcado pela agonia.

“Onde ela está?”

“Ela está morta.”

“Não vai sobreviver!”

“Engoliu muito líquido da placenta!”

A manta da Morte embalava o fruto do ventre adormecido. Ninava porque a levaria.

Ou achava que levaria!

Quando a Morte a embalou, tão convicta que aquele era o fim, o Sopro de vida chegou.

“Ela é minha!”

Nas suas narinas soprou.

Seus pulmões esvaziou.

Tirou a manta da morte e trouxe vida à semente mais preciosa.

“Ela é minha!”

O Sopro da vida insistiu até o fim. Para devolver aquele bebê à mãe, nada era mais importante naquele momento.

“Descanse, mãe. Ela é minha!”

Sempre fui.

E sempre serei.


Segredo da semana: Nos últimos dias, Deus tem me lembrado muito do episódio que foi meu nascimento. Eu, filha de uma mulher desenganada pelos médicos, estéril e que não respondia a nenhum dos tratamentos, cheguei prematuramente aos olhos humanos. Meu cérebro estava inundado com o líquido amniótico, e da sala de parto fui levada imediatamente para a UTI neonatal. Lá, os médicos diziam à minha família que eu não sobreviveria. A Morte me embalava cuidadosamente, pronta a me levar. E eu não tenho dúvidas que Ele entrou naquele hospital e soprou ar em minhas narinas. Ele me tirou dos braços da morte desde o ventre! Como é possível não me sentir amada assim?

Desafio da semana: Por que eu resolvi compartilhar isso com vocês? O recado de amor é simples: por mais que pareça clichê, entenda que não foi o acaso que te trouxe até aqui. Talvez você seja a estéril, talvez você seja o fruto do ventre adormecido. Talvez você seja a resposta de uma promessa levada por gerações, e pode até ser que você tenha sido planejado(a) desde o primeiro minuto. Em cada caso, existe um propósito de redenção. Hoje, quero trazer à sua memória o seu testemunho. Você é um milagre, e existem vidas esperando para ouvir a história de Jesus em você. O que você vai fazer com a sua história?

Sobre Andressa Rosa

Se fosse definir uma menina cheia de sonhos, louca por Jesus e pelo poder que está no nome dEle... Se fosse definir a filha, a estudante de comunicação social, a atriz de alma e formação, que tem seu casamento planejado desde os 7 anos de idade... Se fosse definir o mundo dos "talvez" e das certezas, uma pequena biografia não seria o bastante. Então me chame de Dede. E vem conversar comigo!