Do “mal te conheço e já considero muito” à intimidade

Postado por em mar 30, 2015 em Blog | Um Comentário

Do “mal te conheço e já considero muito” à intimidade

Outro dia estava me lembrando dos tempos de Orkut, da minha adolescência, de como tudo era mais fácil, da facilidade de fazer novas amizades e de como elas cresciam de pressa, e com a mesma pressa iam embora, mas não dava tempo pra sentir falta, pois já tinha conhecido outras pessoas. Quem não recebeu depoimentos no Orkut dizendo “mal te conheço e já considero muito”?

É muito simples para o vizinho do seu colega, que esteve com você uma hora, te considerar muito, te achar a pessoa mais legal, e trocar alguns “scraps” contigo, difícil mesmo é seu irmão te considerar muito o tempo todo, é ele que divide quarto com você, que te ouve resmungando, que te ouve cantando, que sente seu chulé, é dele que você “pega” roupas emprestadas.

Eu costumo brincar que tenho problemas com gente burra, o que na verdade eu quero dizer é que eu sofro alterações de humor com pessoas que não entendem pela décima vez que se forem por aquela direção vão quebrar a cara. Convivo com várias pessoas, principalmente irmãos de caminhada na fé, e é nesse ponto o meu problema.

Tenho uma grande dificuldade em lidar com algumas situações (talvez por ser mais exata que algumas pessoas). Um exemplo bem comum é uma menina cristã que se apaixona por um menino não cristão, aí começam os questionamentos de o que fazer, como fazer e todas as artimanhas tentando dar uma volta em Deus. Pra mim é muito simples isso, não deve fazer exatamente nada, afinal de contas, não deveria nem ter se apaixonado por alguém, muito menos de jugo desigual. Pra mim não tem rodeios, simplesmente é ou não é, mas para algumas meninas é um dilema sem fim, ficando muitas vezes surdas aos dizeres de Deus. Namoram uma vez, não dá certo, namoram outra também não dá, e continuam nesse ciclo.

Quando conhecemos as pessoas e temos momentos de grande intimidade, acabamos conhecendo as virtudes e também os pecados, nessas horas é que começam os problemas ou até brigas, pois existem pontos de vista diferentes e acabamos deixando os sentimentos de decepção ou tristeza por causa dos pecados do outro falar mais alto do que o amor que sentimos pelos nossos irmãos.

Esse é um das minhas maiores lutas, conseguir ser paciente com essas pessoas que tapam os ouvidos e fecham os olhos para Deus, que repetem o mesmo erro todos os dias, que se arrependem mas é só sentir o amor de Deus que já vão ao mesmo erro. Para esses momentos de falta de paciência leio e releio um texto do Mark Altrogge, traduzido pelo Daniel TC, do Reforma21. Me ajuda muito e me faz realmente entender que somos todos igualmente pecadores e falhos, cada um é mais fraco em uma área.

Eu estava escrevendo esse texto e recebi um WhatsApp com a seguinte mensagem:

“Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês, que são espirituais deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado. Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo. Se alguém se considera alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Cada um examine os próprios atos, e então poderá orgulhar-se de si mesmo, sem se comparar com ninguém, pois cada um deverá levar a própria carga. O que está sendo instruído na palavra partilhe todas as coisas boas com quem o instrui. Não se deixem enganar: de Deus não se zomba. Pois o que o homem semear, isso também colherá. Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá a vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, especialmente aos da família da fé.” – Gálatas 6:1-10 (NVI)

Que a gente possa viver os conselhos de Paulo e crescermos juntos, uns levando os fardos dos outros até o dia da volta Dele.

Sobre Paloma Pena

Teimosa, intensa, super protetora, eterna criança, aprendiz de engraçada.

  • Mariana

    Muito legal a forma como tu abordou esse tema… Muitas vezes o que é fácil para uns é difícil para outros, cada um tem um “ponto fraco” em determinada área, mas que acima de tudo isso possamos estar aprendendo uns com os outros e crescendo cada vez mais ♥